Skip to content

Comunicações unificadas: a chave para angariação de fundos à distância

De uma forma ou de outra, todas as empresas foram impactadas pelo COVID-19. As instituições de caridade, em particular, têm sofrido com o impacto de mandatos de distanciamento social e de pressões de stress financeiro e emocional. Os eventos pessoais de angariação de fundos foram cancelados e muitas pessoas que normalmente fazem doações estão desempregadas ou preocupadas com o que futuro pode reservar.

Um relatório recente da Charity Navigator e da Reuters News apresenta números concretos sobre os desafios que as empresas sem fins lucrativos enfrentam. Oitenta e três por cento delas estão a sofrer financeiramente por causa da pandemia, enquanto 64% reduziram os programas. No entanto, ao mesmo tempo, cerca de metade viu um aumento na procura pelo seu apoio.

Por outras palavras, as instituições de caridade devem responder a mais necessidades com menos dinheiro. Para tal, precisam reinventar a forma como angariam fundos e operações enquanto encontram novas formas de despertar uma conexão emocional com os doadores. Tudo se resume à comunicação.

Num esforço para ajudar as instituições de caridade a adaptarem-se, vamos examinar mais de perto os três principais problemas que enfrentam no mundo pós-Covid e fornecer algumas dicas sobre como as comunicações unificadas podem melhorar a angariação de fundos à distância.

3 Desafios para angariação de fundos “à distância”

1. Eventos presenciais em pausa

Muitas instituições de caridade contam com os eventos presenciais, como galas e eventos, para arrecadar dinheiro. Outros solicitam doações através de visitas porta-a-porta e stands em feiras e em lojas. Devido à pandemia, todos esses métodos de angariação estão pausados. Charity Navigator descobriu que 74,6% das organizações sem fins lucrativos tiveram que cancelar eventos presenciais de angariação de fundos devido ao COVID-19, e o impacto desses cancelamentos foi significativo: as instituições de caridade esperavam que as suas receitas diminuíssem em média 38% durante o segundo trimestre de 2020.

2. Muitos doadores potenciais têm menos para dar

A pandemia obrigou muitas empresas a dispensar colaboradores, se não a fecharem as portas. A incerteza económica, junto com um sentimento geral de instabilidade, tornou mais difícil que nunca para as instituições de caridade convencerem as pessoas a doar. Sem o financiamento adequado, muitas organizações sem fins lucrativos não vão conseguir sobreviver.

3. As operações do dia-a-dia exigem uma revisão

Como todos os outros negócios, a pandemia forçou instituições de caridade e organizações sem fins lucrativos a mudar a forma como fazem negócios. Quase dia para a noite, os escritórios físicos foram fechados ou reduzidos ao pessoal necessário. O distanciamento social apresenta novos desafios sobre como conduzir as operações diárias e a divulgação.

Uma caixa de ferramentas de soluções para comunicações unificadas

Estes problemas resumem-se a um desafio-chave: como criar uma ligação online em vez de pessoal. Em qualquer dos casos, a chave é estimular uma resposta emocional de quem vai doar e motivar os colaboradores. Felizmente, a tecnologia existe para tornar isso possível. Vamos olhar novamente para os três desafios, desta vez focando-nos em como as comunicações unificadas são a solução.

1. Eventos presenciais em pausa

As instituições de caridade ainda podem solicitar doações. Só precisam tocar no ponto certo, reconhecendo os tempos anormais em que estamos a viver. Por exemplo, o CEO de uma filial da YMCA usou o e-mail para comunicar de maneira eficaz com os doadores. Em vez de começar com um “pedido” de ajuda, ele começou por explicar como a pandemia tinha impactado o Y e detalhou como ainda estava a retribuir, dispensando as taxas de adesão e fornecendo recursos virtuais. Então, e só então, pediu respeitosamente doações daqueles que podiam pagar. As comunicações unificadas não só permitiram que o YMCA continuasse a oferecer serviços virtuais, como também ajudaram a espalhar a palavra com um e-mail genuíno, cuidadosamente elaborado, que estimulava as pessoas a doar.

As instituições de caridade também podem usar métodos de comunicação digital para chegar aos doadores e patrocinadores regulares de formas envolventes. A videoconferência com os principais colaboradores mantém as conversas a um nível pessoal. Os líderes podem aproveitar a partilha de ecrã para mostrar imagens de como se estão adaptaram à crise e continuam a cumprir a missão da empresa. Quando quem apoia puder ver todo o excelente trabalho de uma instituição de caridade, terão fé na sua capacidade de manter as operações a funcionar – e serão movidos pelas formas criativas com que a equipa superou os obstáculos.

2. Muitos doadores potenciais têm menos para dar

Embora muitas pessoas tenham menos dinheiro nas suas contas bancárias hoje em dia, é mais provável que doem quando solicitadas de forma pessoal e transparente. Por exemplo, o presidente da Brooklyn Academy of Music (BAM) sugere que as instituições de caridade e organizações sem fins lucrativos falem sobre os fatos ao solicitar doações. Seja honesto sobre qual a renda que foi perdida e sobre como será o futuro. Crie e partilhe um plano de reabertura para dar às pessoas a confiança de que a organização vai sobreviver e que as suas doações vão valer a pena.

As instituições de caridade também podem ter sucesso através de campanhas virtuais. A March of Dimes rapidamente mudou a sua marcha para bebés para um evento virtual. A Pancreatic Cancer Action Network também transformou as suas caminhadas de primavera em acontecimentos digitais. A organização até criou uma campanha “Virtual é o novo roxo” para gerar interesse. Dependia muito da tecnologia de comunicação para manter os capitães de equipe, os voluntários e os patrocinadores informados e interessados. Outra organização, a St. Baldrick’s, usou a tecnologia de streaming de vídeo para encorajar a realização de eventos virtuais para rapar o cabelo para arrecadar dinheiro para pesquisas sobre o cancro infantil. Em todos esses casos, a tecnologia de comunicação forneceu as ferramentas necessárias para conduzir uma recolha de fundos bem-sucedida no fórum virtual.

3. As operações do dia a dia exigem uma revisão

As comunicações unificadas simplificam a mudança para o trabalho remoto, ao mesmo tempo que mantém as linhas de comunicação abertas para aqueles que estão na linha da frente. A videoconferência mantém o elemento face a face ativo para reuniões de equipa. A partilha de tela e os espaços de trabalho inteligentes promovem a colaboração e a criatividade. O chat individual e em grupo permite que a equipa troque ideias e trabalhe em projetos com a mesma eficácia com que faziam no escritório.

A Minnie’s Food Pantry é uma das principais despensas de alimentos no norte do Texas. Antes da pandemia, a organização arrecadou dinheiro através de eventos como galas e patrocinadores. Mas como ambos desapareceram e mais famílias estão a passar por situações de carência alimentar, a equipa mudou o seu foco de recolha de fundos. Agora, entram em contato diretamente com empresas e com o USDA para solicitar doações de alimentos em vez de dinheiro.

A entrega com máscaras e em drive-by substituíram os abraços e os sorrisos dos seus clientes, mas a Minnie’s Pantry encontrou formas de recriar a experiência cara-a-cara. A equipa agora toca música no karaoke do carro e mostra cartazes e t-shirts com mensagens de positividade e alegria. A organização depende muito das comunicações unificadas para manter o contato com doadores e famílias necessitadas. E uma plataforma de nuvem ajudou a escalar rapidamente ao expandir de uma equipe de 17 para 52 pessoas para responder às crescentes necessidades da comunidade.

O COVID-19 deixou claro que todos precisamos de conexões físicas e humanas. As organizações de caridade devem agora fazer com que cada interação conte – mas à distância. A tecnologia de colaboração em equipa fornece as ferramentas de que precisam para criar um senso de trabalho em equipe e despertar a resposta emocional que inspira as pessoas a doar. O planeamento cuidadoso, as mensagens estratégicas e as ferramentas de comunicação certas ajudam as instituições de caridade a manter a conexão humana e a inspirar as doações necessárias nesta época sem precedentes.

Informações imprensa

Para mais informações contactar EDC – Design e Comunicação

Achou este artigo útil? Partilhe:
Tópicos
Artigos Mais Lidos
Subscrever newsletter
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.
Artigos Relacionados

Dominar a harmonia entre a vida profissional e pessoal: Estratégias para o equilíbrio

Nos últimos anos, é possível que tenha acompanhado o tema do equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada. Uma vez que cada vez menos pessoas trabalham a tempo
Ler mais

Podcast: Impulsionar o sucesso através de parcerias com April Miller

Recentemente nomeada como CRN Channel Chief 2024, April Miller é a VP de programas de vendas globais da Mitel.
Ler mais

Os telefones de secretária ainda são relevantes no atual ecossistema de comunicações?

A pergunta sobre o papel do telefone de secretária tradicional nesse novo ambiente é inevitável - ainda acrescenta valor?
Ler mais

5 Formas De Fazer Uma Limpeza De Primavera Nas Suas Ferramentas De Comunicação

Que tal fazer uma “limpeza de primavera” às suas ferramentas de comunicação? O colaborador utiliza, em média, 17 aplicações diferentes na nuvem, três serviços de partilha de conteúdos e três ferramentas
Ler mais