Skip to content

3 formas de conseguir uma migração resiliente

Agora, mais do que nunca, as empresas precisam de comunicações fiáveis, independentemente do que se passa no mundo à sua volta. Certamente, a COVID-19 tem enfatizado este ponto. Os profissionais precisam de prestar serviço ao cliente e colaborar com os colegas, mesmo que estejam a trabalhar a partir da sua mesa de cozinha. As empresas não se podem dar ao luxo de perturbar os seus negócios.

Migrar as comunicações para a nuvem tornou-se a forma de assegurar a continuidade do negócio. Na terceira edição do Mitel’s EU Cloud Survey, um terço dos inquiridos de empresas europeias apontou a disponibilidade da rede como a mais importante quando se considera a migração para a nuvem. Quase 40% disseram que querem que as aplicações telefónicas estejam disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano. Ao contrário dos inquéritos anteriores, as empresas europeias estão agora mais concentradas nas capacidades de encaminhamento de redes do que nos méritos das plataformas baseadas na nuvem em geral. A qualidade do serviço e a disponibilidade garantida são primordiais. De facto, os inquiridos colocam-nas acima da disponibilidade de aplicações de software (17%) ou plataformas (27%).

Mudar a sua telefonia para a nuvem é um grande empreendimento, mas tem de acontecer. Os sistemas legais são dispendiosos de manter ou tornaram-se obsoletos. No entanto, mover tudo em linha sem a devida diligência é uma receita para o desastre. Para garantir que a sua migração para a nuvem seja segura e resistente enquanto se prepara para a grande mudança, considere estas três coisas:

Planear para agora e para o futuro

Identificar as partes interessadas e descobrir as suas necessidades. Tal como acontece com a maioria das grandes empresas, fazer os trabalhos de casa compensa a longo prazo. O primeiro passo é identificar todas as partes interessadas relevantes – aquelas que serão mais afetadas pelas mudanças nas aplicações e acessibilidade – e descobrir o que é mais importante para elas. Quais são os seus principais fluxos de trabalho? Que aplicações e ferramentas são essenciais para que se realize o trabalho? O que é mais suscetível de ser afetado pela migração? Depois da Universidade de Liverpool ter concluído este processo, foi capaz de desenvolver um plano detalhado de implementação que teve em conta as necessidades únicas de cada parte interessada.

O que vai e o que fica? Uma vez identificadas as necessidades das partes interessadas é necessário decidir o que vai para a nuvem. Não tem de ser tudo. Examine cada aplicação e determine se faz mais sentido migrá-la, mantê-la local ou atualizá-la para uma aplicação da nuvem nativa ou aplicação Software-as-a-Service (SaaS). Avalie como cada decisão terá impacto na sua infraestrutura global. O processo de descoberta e avaliação pode também ajudá-lo a projetar necessidades futuras. Trinta e seis por cento dos inquiridos de um estudo ITPro Today disseram que planeiam utilizar a nuvem para funções avançadas como armazenagem, análise, inteligência artificial e aprendizagem de máquinas. Portanto, ao projetar a sua nova infraestrutura, não se esqueça de ter uma visão a longo prazo.

Gerir ativamente a mudança

A mudança pode – e normalmente cria – confusão. É por isso que a gestão dessa mudança é metade da “batalha” com um projeto deste âmbito. No EU Cloud Survey, mais de um terço das empresas disse que era importante considerar os custos associados à gestão da mudança ao migrar para a nuvem. Ao conceber a sua migração para a nuvem, identificar cada parte móvel significativa que possa criar problemas, e desenvolver um plano para mitigar os problemas.

A equipa certa com o material certo. Quando transferir aplicações para a nuvem, terá o pessoal de TI com o conjunto de competências de que necessita? Caso contrário, poderá ter de contratar novos membros da equipa ou reciclar os acuais funcionários. Os fluxos de trabalho irão mudar. As responsabilidades e papéis podem mudar. Pense à frente e reúna os jogadores de que necessita. Pense em formar uma equipa dedicada apenas para gerir a migração. Num inquérito da McKinsey & Co, empresas que tinham recursos dedicados migraram mais de metade (52%) das candidaturas, em oposição a 29% por empresas sem equipa dedicada.

Dê o passo a passo. Os peritos concordam que uma migração faseada tem mais probabilidades de ser bem sucedida. Durante a fase de descoberta, identifique as aplicações que são essenciais aos seus interessados e preste especial atenção à forma como esses sistemas irão migrar. Para evitar perturbações, leve-a devagar. Por exemplo, a Universidade de Liverpool ligou a infraestrutura VoIP a uma ISDX Siemens existente para evitar a interrupção do serviço.

Teste de Resiliência Antes da Migração

Porque a resiliência é tão crucial para o negócio, compensa preparar e testar os seus sistemas antes da implantação. É aqui que o apoio do seu fornecedor ou parceiro é essencial.

Ensaie. Peça aos seus vendedores demonstrações antes de entrar em direto. Eles devem ser capazes de o acompanhar em todas as etapas do processo. No Inquérito EU Cloud Survey, 29% das empresas disseram que continuariam a depender dos vendedores e parceiros durante a implementação.
Acesso a dados em tempo real. Porque haverá solavancos pelo caminho, certifique-se de que terá acesso a dados em tempo real no caso de querer recuar e alterar o seu plano.

Testar os sistemas de apoio. Qual é o seu plano de backup e recuperação? Pode proteger os sistemas críticos que a empresa necessita? Um relatório da IDC concluiu que as organizações gastam apenas 12,4% do seu orçamento de TI em sistemas de recuperação. A preparação para a migração de nuvens é um bom momento para reavaliar as suas soluções de backup para garantir que são fortes e alinhadas com a estratégia empresarial da empresa.

A migração das suas comunicações para a nuvem não deve ser assustadora. Com um parceiro forte e uma boa preparação, pode assegurar aos seus interessados – e a si próprio – que a migração irá decorrer sem problemas.

Achou este artigo útil? Partilhe:
Tópicos
Artigos Mais Lidos
Subscrever newsletter
Artigos Relacionados

Melhorar as comunicações empresariais para o mundo pós-pandémico

Se a sua casa estivesse a arder, passaria meia hora a escolher a roupa certa para vestir para os bombeiros?
Ler mais

5 hábitos a cultivar na transição para o trabalho híbrido

À medida que entramos na era pós-pandémica, muitos de nós regressaremos a um local de trabalho híbrido, onde se espera que passemos alguns dias no escritório e alguns dias a trabalhar a partir de casa.
Ler mais

Vale realmente a pena um plano de continuidade de negócios?

As empresas subestimam frequentemente a necessidade de um plano de continuidade que as possa ajudar a sobreviver a todo o tipo de catástrofes. Ninguém nota a sua falta antes da catástrofe ocorrer, e depois já é demasiado tarde para fazer alguma coisa.
Ler mais

Omnicanal – Único Ponto de Contacto | Sessão 1

A importância da tecnologia de Omnicanal (Único Ponto de Contacto) foi o mote da primeira sessão do Customer Experience – Shaping the Future Together.
Ler mais