Skip to content

Omnicanal – Único Ponto de Contacto | Sessão 1

“Call centers têm de se preparar já para lidar com os Millennials” 

A importância da tecnologia de Omnicanal (Único Ponto de Contacto) foi o mote da primeira sessão do Customer Experience – Shaping the Future Together, uma série de 5 sessões virtuais dedicada ao mercado dos call centers. 

Neste evento, Cláudio Moreira, managing director da Mitel Portugal, e José Rui Gomes, presidente da associação Portuguesa de Business Intelligence, debateram as principais tendências e preocupações da jornada do cliente, abordaram dados relevantes sobre como utilizar a tecnologia para enriquecer a experiência dos clientes, e falaram sobre a Importância da qualidade e da organização dos dados para um serviço de excelência.

Os responsáveis começaram por abordar o relatório de 2020 do Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade (IDES), que é publicado anualmente pela Comissão Europeia desde 2014, e que acompanha os progressos digitais dos Estados-Membros.

Apesar do que tem sido feito, o último relatório posiciona Portugal em 19.º lugar no IDES entre os 28 Estados-Membros da União Europeia. Em termos de conectividade, o nosso país ocupa o 12.º lugar e a nível do Capital humano com competências digitais o 21º lugar. A utilização de serviços de Internet em Portugal continua no 24.º lugar entre os 28 Estados-Membros. Na integração das tecnologias digitais nas empresas, Portugal está classificado no 16.º lugar na UE e ao nível dos Serviços Públicos Digitais, Portugal ocupa a 13ª posição.

Os clientes esperam uma experiência omnicanal

É importante realçar que os hábitos dos consumidores estão a mudar rapidamente, tendo o confinamento acelerado esta mudança. Atualmente, pelo menos 52% dos consumidores utilizam três ou quatro canais de comunicação e a experiência que têm, marcará futuras interações com a marca. Os clientes esperam agora outro tipo de experiência, e que a mesma seja mais fantástica. De acordo com o questionário elaborado pela Mitel, 60% pretende um acesso mais fácil a soluções de self-service, 64% querem assistência em tempo real, e 75% preferem interações pessoais (não necessariamente com humanos). 

A importância da tecnologia neste campo é fundamental, nomeadamente no que concerne aos Millennials. Esta geração é caracterizada pela forma como interage entre si e com as empresas, valorizando a experiência, a “viagem” que faz e a forma como se relacionam com as marcas.

Os Millennials, e as próximas gerações que vão crescer com a tecnologia, vão ser cada vez mais móveis e com maior experiência em lidar com a tecnologia. Preferem usar smartphones para comunicar, fazer compras, falarem, verem e-mails e navegar pela Internet. Na verdade, 70% prefere um atendimento ao cliente totalmente online. Por outro lado, 33% querem interação em tempo real nas redes sociais com as marcas, e 70% acham que têm responsabilidade por partilhar feedback (positivo e negativo) com as empresas. 

A estatística mais “assustadora” e a mais importante sobre os Millennials é que não têm medo de deixar uma marca. Na verdade, de acordo com a Accenture, mais da metade larga uma marca todos os anos, estimando-se que até 25% vão deixar uma marca após uma experiência negativa e 82% após uma terceira má experiência.

Perante a estatística, nada importa mais às empresas do que garantir uma boa experiência. O call center tradicional terá aqui de se reinventar e passar para um centro de experiência de cliente, onde uma chamada telefónica é tratada como uma interação, assim como um e-mail, um SMS e um chat na Internet – tudo terá de estar interligado numa única solução. O centro de experiência do cliente da próxima geração é capaz de responder às consultas do cliente numa variedade de canais e ligar interações individuais na viagem de cliente.

Por outro lado, para poder oferecer uma boa experiência ao cliente, é necessário personalizá-la. E é neste ponto em que entram as soluções de Business Intelligence. O objectivo de uma boa solução desta natureza é efectivamente dotar os empresários com o poder do conhecimento e a sua valorização. O Business Intelligence oferece o apoio para as decisões e para o tratamento do cliente de forma inteligente, baseado num processo de captação de dados. As informações são adquiridas a partir de qualquer sistema e gravadas numa base de dados modelada para cada tipo de negócio, apresentando os dados de forma lógica e de fácil leitura para quem tem de os interpretar e decidir.“Num mundo cada vez mais digital e tecnológico, as empresas são levadas a questionar-se de que forma podem tomar decisões estratégicas mais assertivas, rápidas e eficazes, e também como tratar os clientes de uma forma mais personalizada, e o Business Intelligence assume aqui um papel fundamental”, aponta José Rui Gomes, presidente da associação Portuguesa de Business Intelligence.

Achou este artigo útil? Partilhe:
Tópicos
Artigos Mais Lidos
Subscrever newsletter
Artigos Relacionados

Melhorar as comunicações empresariais para o mundo pós-pandémico

Se a sua casa estivesse a arder, passaria meia hora a escolher a roupa certa para vestir para os bombeiros?
Ler mais

5 hábitos a cultivar na transição para o trabalho híbrido

À medida que entramos na era pós-pandémica, muitos de nós regressaremos a um local de trabalho híbrido, onde se espera que passemos alguns dias no escritório e alguns dias a trabalhar a partir de casa.
Ler mais

Vale realmente a pena um plano de continuidade de negócios?

As empresas subestimam frequentemente a necessidade de um plano de continuidade que as possa ajudar a sobreviver a todo o tipo de catástrofes. Ninguém nota a sua falta antes da catástrofe ocorrer, e depois já é demasiado tarde para fazer alguma coisa.
Ler mais

Como podem os revendedores oferecer uma experiência de cliente multidimensional com uma equipa de trabalho híbrida?

Se quiserem permanecer no mercado, os revendedores hoje em dia têm de procurar novas tecnologias, métodos e sistemas para reforçar a experiência dos seus clientes.
Ler mais