Skip to content

4 dicas para preencher a lacuna do trabalho remoto

Mind the gap! A diferença de oportunidades de carreira entre os trabalhadores à distância e os trabalhadores presenciais.

Existem diferenças significativas nas oportunidades de colaboração, produtividade e desenvolvimento de carreira entre trabalhadores remotos e presenciais, segundo um relatório do Federal Reserve Bank de Nova Iorque, da Universidade de Iowa e de Harvard, intitulado “The Power of Proximity to Coworkers“.

Depois de estudar os engenheiros de uma grande empresa de tecnologia antes e depois do confinamento devido à COVID-19, os investigadores descobriram que as equipas com um único membro remoto comunicavam de forma muito diferente das equipas totalmente presenciais. Além disso, os trabalhadores à distância enfrentam certas desvantagens no que respeita à progressão na carreira.

Três anos depois, as empresas já resolveram, em grande parte, a logística do trabalho remoto. No entanto, a pressão para regressar ao escritório alterou novamente a dinâmica, conduzindo a uma divisão pós-pandémica entre trabalhadores presenciais e remotos.

O trabalho a partir de casa não vai desaparecer – de facto, 68% dos trabalhadores a nível mundial continuam a querer um regime híbrido – mas os trabalhadores poderão ter de sacrificar o salário ou a mobilidade ascendente em troca de um maior controlo sobre o seu horário. E as empresas terão de descobrir como criar oportunidades iguais para os funcionários em todos os locais.

Felizmente, a cultura e o estilo de gestão corretos, apoiados por uma tecnologia moderna de comunicações unificadas e de colaboração, podem ajudar a colmatar a lacuna do trabalho remoto, beneficiando tanto os empregados como as empresas.

Proximidade, produtividade e possibilidade de promoções

Os trabalhadores à distância gostam da sua independência, mas podem sentir-se isolados dos seus colegas de trabalho e ignorados pelas chefias, especialmente se só os tiverem conhecido virtualmente. Muitos procuram cargos que lhes permitam deslocar-se a um escritório pelo menos algumas vezes por semana para estabelecer relações com os seus colegas.

Isto é particularmente verdadeiro para os trabalhadores mais jovens, especialmente os recém-licenciados que passaram a sua formação e início de carreira a tentar estabelecer contactos através de videoconferências e chats de trabalho. A geração Z está pronta para receber formação no local de trabalho e construir as suas redes pessoalmente.

Os trabalhadores mais juniores beneficiam significativamente das interações presenciais, com feedback substancial, orientação e observação dos seus supervisores, segundo o estudo Power of Proximity. Isto aumenta a sua produtividade, uma vez que podem ajustar o seu trabalho no momento. Por outro lado, os trabalhadores seniores são mais produtivos em casa, onde podem trabalhar de forma mais independente.

Os colegas presenciais colaboram melhor, mantendo conversas mais extensas e profundas do que as equipas híbridas ou remotas. Quando há um único membro remoto numa equipa, toda a discussão tem de passar a ser online – ou corre-se o risco de isolar o funcionário remoto.

Para muitos trabalhadores remotos, o medo do isolamento é uma verdadeira razão para regressar ao escritório, especialmente se não se sentirem à vontade para se defenderem online. Alguns gestores adotam uma abordagem do tipo “longe da vista, longe do coração” quando oferecem aos seus empregados oportunidades de desenvolvimento de carreira.

Os funcionários que preferem o trabalho presencial fazem-no, muitas vezes, porque querem uma rede de contactos mais espontânea e a possibilidade de progredir na carreira. Encontrar alguém no corredor e discutir uma nova ideia de projeto pode ser comum num edifício de escritórios, mas a conversa casual é mais difícil online.

O estudo de proximidade descobriu outros fatores que podem criar uma lacuna para os trabalhadores remotos. É mais provável que a chefia dê uma promoção a um funcionário cujo rosto seja familiar no escritório, mas as contribuições dos trabalhadores remotos podem ser ignoradas. Os trabalhadores à distância, especialmente os mais jovens, têm mais probabilidades de se despedirem devido à perda de relações ou à falta de reconhecimento.

Quatro dicas para reduzir a lacuna do trabalho remoto

Suponhamos que os empregadores querem reter os melhores talentos remotos, manter a produtividade e preparar a sua força de trabalho para o futuro. Nesse caso, têm de encontrar formas de nivelar o campo de ação entre os trabalhadores à distância e os trabalhadores presenciais. Com a abordagem correta, podem garantir oportunidades de carreira iguais para todos os seus trabalhadores, independentemente da localização.

1. Maximizar os horários híbridos

Tentar gerir funcionários híbridos com horários diferentes pode parecer uma tarefa difícil, mas encontrar um dia por semana para colaboração presencial pode fazer uma grande diferença na produtividade e no trabalho de equipa. Se não for possível organizar um horário único ou se os funcionários remotos viverem longe, tente realizar reuniões presenciais mensais ou trimestrais para estabelecer relações directas. O software de planeamento da força de trabalho pode analisar a disponibilidade dos empregados e sugerir os melhores dias para todos.

2. Experimente métodos alternativos de gestão

Os gestores devem ter uma abordagem do tipo “nenhum trabalhador é deixado para trás” em relação às equipas híbridas. Isso pode significar contactar os trabalhadores remotos através de videochamadas para garantir que recebem o mesmo feedback e formação que os seus colegas presenciais. Os funcionários devem ter os mesmos objetivos de desempenho, independentemente da localização, e os líderes devem acompanhar os KPI, as promoções e os salários de todos os funcionários para garantir que todos têm as mesmas oportunidades.

3. Melhorar o envolvimento dos trabalhadores remotos

Se os seus colegas de trabalho estiverem sempre presentes, os trabalhadores remotos podem começar a sentir-se invisíveis. As videoconferências, as reuniões mais “divertidas” e os chats abertos podem permitir-lhes ter conversas que possam estar a perder e sentir-se à vontade para falar com a sua equipa.

4. Elimine a divisão com comunicações unificadas

Os trabalhadores remotos podem sentir-se desligados – devido a uma desconexão literal dos seus colegas de trabalho. Dê-lhes as ferramentas para fazerem o seu trabalho tão bem como os seus colegas presenciais, como um software de colaboração com capacidades de conversação para vídeo. Se houver apenas um trabalhador remoto numa equipa, peça aos membros presenciais para ligarem, porque pode ser difícil ser o único que não está na sala.

Não deixe que sejam os próprios trabalhadores remotos a colmatar a lacuna. A liderança da empresa deve fornecer proactivamente oportunidades iguais para funcionários remotos e presenciais ou arriscar impactos negativos em sua força de trabalho mais tarde.

Informações imprensa

Para mais informações contactar EDC – Design e Comunicação

Achou este artigo útil? Partilhe:
Tópicos
Artigos Mais Lidos
Subscrever newsletter
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.
Artigos Relacionados

Dominar a harmonia entre a vida profissional e pessoal: Estratégias para o equilíbrio

Nos últimos anos, é possível que tenha acompanhado o tema do equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada. Uma vez que cada vez menos pessoas trabalham a tempo
Ler mais

Podcast: Impulsionar o sucesso através de parcerias com April Miller

Recentemente nomeada como CRN Channel Chief 2024, April Miller é a VP de programas de vendas globais da Mitel.
Ler mais

Os telefones de secretária ainda são relevantes no atual ecossistema de comunicações?

A pergunta sobre o papel do telefone de secretária tradicional nesse novo ambiente é inevitável - ainda acrescenta valor?
Ler mais

5 Formas De Fazer Uma Limpeza De Primavera Nas Suas Ferramentas De Comunicação

Que tal fazer uma “limpeza de primavera” às suas ferramentas de comunicação? O colaborador utiliza, em média, 17 aplicações diferentes na nuvem, três serviços de partilha de conteúdos e três ferramentas
Ler mais