Skip to content

Para além das 9h às 5h: Os benefícios de uma semana de trabalho flexível (e mais curta)

A pandemia alterou verdadeiramente a forma como encaramos o equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada? Muitos trabalhadores descobriram que podiam ser tão produtivos a trabalhar em casa com um horário mais flexível como a trabalhar no escritório das 9h às 17h. E talvez nunca mais queiram voltar atrás.

De acordo com o relatório do Gabinete de Estatísticas do Trabalho dos EUA, os americanos trabalham menos horas. O trabalhador médio não agrícola (sector privado) trabalhou 34,3 horas por semana em maio de 2023, menos do que a média de maio de 2019 e abaixo do pico de 35 horas em janeiro de 2021.

Esta situação ocorre em simultâneo com outro potencial abrandamento económico, mesmo quando os empregadores contratam mais trabalhadores. Embora a incerteza financeira leve frequentemente os empregadores a reduzir o número de horas de trabalho para diminuir as despesas com os salários, desta vez a razão pode ser menos ameaçadora.

Muitas empresas estão finalmente a conseguir preencher postos de trabalho há muito vagos. Têm mais pessoal para cobrir os turnos, pelo que os colaboradores anteriormente sobrecarregados de trabalho podem regressar a um horário mais normal. Com a recente escassez de mão de obra ainda fresca nas suas mentes, estão também a oferecer horários mais flexíveis para satisfazer os trabalhadores.

Os funcionários ficam mais felizes e são ainda mais produtivos quando trabalham menos horas ou têm mais controlo sobre os seus horários. Graças às melhores soluções de comunicação e colaboração à distância, os trabalhadores podem abandonar definitivamente a tradicional semana de trabalho de 40 horas.

Horas de trabalho em todo o mundo

O conceito das 9 às 5 é familiar junto dos americanos, mas a semana padrão varia entre os trabalhadores de todo o mundo.

As jornadas mais longas são cumpridas pelos trabalhadores da Mauritânia, que trabalham em média 54 horas por semana. Em contrapartida, os trabalhadores da Austrália têm a semana de trabalho mais curta, com uma média de apenas 29 horas. De um modo geral, os trabalhadores dos países com rendimentos mais elevados trabalham menos horas do que os dos países menos desenvolvidos.

Os trabalhadores do Reino Unido trabalhavam em média 36,7 horas por semana em abril de 2023, quase voltando ao nível pré-pandémico de 36,9 horas em dezembro de 2019. Este valor subiu de um mínimo de 30,3 durante o confinamento de junho de 2020.

O nosso tempo de trabalho depende das normas culturais do local onde vivemos, mas a média global parece ter recuperado ligeiramente abaixo dos níveis pré-pandémicos. Isto pode refletir um desejo universal de um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

Os horários flexíveis tornam os trabalhadores mais produtivos?

Quando Henry Ford instituiu a semana de trabalho de 40 horas nas suas fábricas, não estava apenas a dar mais tempo de folga aos seus empregados. Ele descobriu que a produtividade geral aumentava quando os trabalhadores estavam mais descansados.

Estudos recentes revelaram que os trabalhadores modernos são igualmente produtivos mesmo quando não trabalham as tradicionais 40 horas semanais. Os horários alternativos, como os horários flexíveis, o trabalho híbrido, o trabalho à distância ou as semanas de trabalho de quatro dias, não diminuem a produtividade dos trabalhadores, mas melhoram o seu moral e reduzem as taxas de desgaste.

Sessenta e uma empresas do Reino Unido experimentaram recentemente uma semana de trabalho de quatro dias sem redução da remuneração dos trabalhadores. Os resultados foram prometedores: 71% dos trabalhadores referiram níveis mais baixos de esgotamento e as empresas registaram menos 65% de dias de baixa por doença e de licença pessoal. As receitas até aumentaram ligeiramente, numa média de 1,4%. A maioria das empresas planeia continuar mesmo depois da experiência.

Muitos países europeus testaram ou planeiam experimentar semanas de trabalho de quatro dias para os funcionários públicos, incluindo a Islândia, a Bélgica, Portugal, a Escócia e o País de Gales. Alguns seguem um modelo 100:80:100, ou seja, 100% do salário durante 80% do tempo, com níveis de produtividade de 100%. Outros simplesmente condensam a semana de trabalho com quatro dias mais longos em troca de um dia de folga.

De acordo com um estudo desenvolvido pelo National Bureau of Economic Research (NBER), os horários híbridos também são populares – e produtivos. Um grupo aleatório de trabalhadores foi selecionado para o trabalho híbrido, enquanto o grupo de controlo permaneceu no escritório. O grupo híbrido registou uma maior satisfação, reduziu o desgaste em 33% e trabalhou menos duas horas nos dias de trabalho em casa.

As ferramentas de comunicação à distância, como as mensagens e as videochamadas, tornaram-se mais importantes para estes funcionários, que mantiveram os mesmos níveis de produtividade que os seus colegas no local de trabalho. Mesmo os trabalhadores presenciais com equipas híbridas tinham maior probabilidade de utilizar estas soluções de forma regular e eficaz.

Ferramentas para ir além das 9h às 5h

A boa notícia para as empresas, especialmente as que já têm capacidade para trabalhar à distância, é que provavelmente já dispõem das ferramentas necessárias para manter a produtividade e, ao mesmo tempo, proporcionar aos funcionários horários mais flexíveis.

Uma plataforma de colaboração unificada torna o trabalho de equipa assíncrono muito mais acessível, simplificando os fluxos de trabalho e coordenando os horários. As integrações de terceiros permitem que os funcionários acedam a diferentes sistemas de comunicação através de uma única interface, para que possam alternar facilmente entre o trabalho a solo e a colaboração com colegas.

A investigação do NBER concluiu que os trabalhadores híbridos que utilizavam ferramentas de comunicação e colaboração virtuais, como conversas de grupo, partilha de ficheiros e reuniões por vídeo, tinham mais probabilidades de utilizar os seus dias de forma eficiente, mesmo no escritório. Isso economiza dinheiro para os empregadores e proporciona aos funcionários um maior equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Saiba como as soluções de colaboração da Mitel podem ajudar a sua empresa a libertar-se da semana de trabalho de 40 horas para ter funcionários mais felizes, mais satisfeitos (e produtivos).

Informações imprensa

Para mais informações contactar EDC – Design e Comunicação

Achou este artigo útil? Partilhe:
Tópicos
Artigos Mais Lidos
Subscrever newsletter
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.
Artigos Relacionados

3 grandes razões para considerar uma infraestrutura híbrida para as comunicações empresariais

Durante anos, o principal objetivo dos decisores de TI e de telecomunicações foi transferir as comunicações para a nuvem. Os observadores do setor impulsionaram a sabedoria convencional que sugeria que
Ler mais

Sourcewell Vs. Rfp: Duas Formas De Comprar Um Sistema Telefónico

Trabalha para uma agência governamental, educativa ou instituição sem fins lucrativos? Pode escolher entre duas opções quando estiver pronto para adquirir um sistema de comunicações – ambas satisfazem os seus
Ler mais

Mitel nas Notícias: 5 Histórias que pode ter perdido em janeiro

Janeiro é sinónimo de ano novo, mas sabia que era também o Mês do Chá Quente? É claro que uma chávena de chá é, desde há muito, uma bebida reconfortante
Ler mais

Quatro Formas De Mostrar Amor Aos Seus Clientes (Com Software Para Centros De Atendimento Telefónico)

O marketing é tão importante para nós como para qualquer outra pessoa. Mas sejamos realistas: A seta está normalmente apontada para os potenciais clientes. Não há nada de errado em
Ler mais