Skip to content

Como o trabalho remoto pode construir um futuro mais sustentável

A pandemia de COVID-19 provocou uma mudança sísmica na cultura de trabalho global e na forma como as organizações pensam sobre o seu impacto ambiental. O teletrabalho, outrora um conceito novo, tornou-se uma componente fundamental para promover um futuro mais sustentável para o nosso planeta. À medida que as organizações e os indivíduos repensam o modelo tradicional de escritório, a mudança para o trabalho remoto não tem apenas a ver com conveniência e flexibilidade, mas também com a redefinição da nossa abordagem ao trabalho em conformidade com os princípios ambientais, sociais e de governação (ESG).

A redução das emissões é uma parte integrante de todas as estratégias ESG destinadas a combater as alterações climáticas e a contribuir para a descarbonização global. As emissões são inerentes aos negócios em vários sectores, incluindo fabrico, investigação, vendas, funções de escritório e até deslocações de funcionários, e as organizações em todo o mundo estão a trabalhar ativamente para minimizar as emissões de gases com efeito de estufa de forma sustentável sem perturbar as operações.

Menos de 26% dos agregados familiares nos EUA ainda têm alguém a trabalhar remotamente, um declínio em relação aos primeiros dias da pandemia, mas o trabalho remoto continua a ter poderosos benefícios ambientais. Por isso, realizámos o nosso estudo1 com base nos dados imobiliários e dos colaboradores da Mitel, analisando as emissões dos colaboradores que trabalham em todos os ambientes, e os resultados foram reveladores.

Medindo as emissões dos funcionários

Nos Estados Unidos, um funcionário que trabalha no escritório durante 49 semanas (cerca de 11 meses e meio) por ano, com um horário de 5 dias, emite aproximadamente 1.260 kg (cerca de 2777,82 lb) de CO2 por ano. Em contrapartida, o mesmo empregado que trabalha a partir de casa emite apenas 477 kg (cerca de 1051,6 lb) de CO2 durante o mesmo período. Isto representa uma redução substancial de 62% nas emissões para um único funcionário.

Nota: As condições de trabalho são baseadas num escritório nos Estados Unidos. Os cálculos baseiam-se em pressupostos de área, clima e distância de deslocação.

Redução das emissões de condução

Embora as deslocações pendulares desempenhem um papel na redução das emissões, estão muito longe do verdadeiro culpado que contribui para as emissões das empresas: os edifícios de escritórios. Os sistemas de aquecimento e arrefecimento e o consumo de energia dos edifícios de escritórios, que consomem muita energia, ultrapassam largamente o de um espaço de trabalho doméstico. Normalmente, são atribuídos 150-200 pés quadrados por empregado, incluindo o espaço de trabalho e as áreas comuns. Os edifícios de escritórios têm maiores necessidades energéticas por empregado devido à sua dimensão e às necessidades de controlo climático, ao contrário de uma casa ou apartamento de dimensão média. A redução do tamanho do espaço de escritórios torna-se, por isso, fundamental para a sustentabilidade da empresa.

Benefícios adicionais da nova cultura de trabalho

Para além da redução das emissões de carbono, as empresas podem observar vários benefícios imediatos, incluindo:

  • Redução dos custos de aluguer, gestão de instalações, estacionamento e outras taxas de construção;
  • Redução da pegada de carbono global e da produção de resíduos;
  • Redução do consumo de água.

Para além das vantagens operacionais e financeiras da consolidação do espaço de escritórios com o novo modelo de trabalho, o aumento da felicidade e satisfação dos funcionários através do trabalho remoto é um aspeto vital a considerar. Um inquérito da Tracking Happiness a cerca de 12.500 empregados indicou um aumento de 20% na felicidade dos empregados quando trabalham a partir de casa, sublinhando o impacto positivo do trabalho remoto na moral dos empregados. Este aumento da satisfação promove um equilíbrio mais saudável entre a vida profissional e pessoal e pode contribuir para uma maior produtividade e satisfação geral com o trabalho, o que é fundamental para promover uma força de trabalho motivada e empenhada. De um modo geral, a incorporação de modelos de trabalho flexíveis ou remotos beneficia o ambiente e tem um impacto significativo na satisfação dos colaboradores, o que acaba por impulsionar o sucesso de uma organização.

A história de sucesso ESG da Mitel

Como outras empresas, a Mitel adotou o trabalho remoto durante a pandemia e continuou a fazê-lo nos anos seguintes. No final de 2022, quase 44% dos funcionários da Mitel estavam trabalhando remotamente, com outros 45% adotando um modelo híbrido. Apenas cerca de 11% dos funcionários da Mitel trabalham no modelo tradicional de escritório, sendo que esses funcionários são principalmente trabalhadores essenciais cujas funções exigem que eles estejam fisicamente no local para cumprir suas responsabilidades, como o cumprimento de remessas. Esta mudança de modelos permitiu à Mitel reduzir a sua pegada de instalações não utilizadas em 49% em todo o mundo em 2022.

O impacto no consumo de energia da Mitel e na redução geral de emissões foi significativo. Em 2022, a Mitel viu um declínio de 23% na emissão geral de gases de efeito estufa (GEE) (cerca de 1.200 toneladas de CO2 equivalente) de suas instalações e deslocamentos de funcionários em comparação com 2021, equivalente às emissões de dirigir um carro a gasolina por 3 milhões de milhas ou alimentar 233 casas por um ano.2.

De acordo com a Agência Internacional da Energia (AIE), os edifícios contribuem com 26% do total das emissões globais e 30% do consumo de energia. Embora as iniciativas de redução de emissões – tais como a adaptação de luminárias com LED e a melhoria dos sistemas HVAC para reduzir o consumo de energia – muitas vezes envolvem custos iniciais substanciais, a economia de até 23% nas emissões de carbono a partir da redução do espaço de escritório prova que um progresso significativo pode ser feito sem um custo inicial significativo.

A Mitel estabeleceu um objetivo a longo prazo para se tornar uma empresa com emissões líquidas nulas até 2050, concentrando-se no âmbito 2, que inclui as emissões que uma empresa causa indiretamente a partir do local onde a energia que compra é utilizada e produzida, como o consumo de eletricidade e calor. A mudança para o trabalho remoto deu o pontapé de saída para os esforços de mitigação da Mitel, lançando as bases para o fornecimento de energia renovável e para a modernização da iluminação quando a consolidação do espaço de escritórios estiver concluída.

Informações imprensa

Para mais informações contactar EDC – Design e Comunicação

Achou este artigo útil? Partilhe:
Tópicos
Artigos Mais Lidos
Subscrever newsletter
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.
Artigos Relacionados

3 grandes razões para considerar uma infraestrutura híbrida para as comunicações empresariais

Durante anos, o principal objetivo dos decisores de TI e de telecomunicações foi transferir as comunicações para a nuvem. Os observadores do setor impulsionaram a sabedoria convencional que sugeria que
Ler mais

Sourcewell Vs. Rfp: Duas Formas De Comprar Um Sistema Telefónico

Trabalha para uma agência governamental, educativa ou instituição sem fins lucrativos? Pode escolher entre duas opções quando estiver pronto para adquirir um sistema de comunicações – ambas satisfazem os seus
Ler mais

Mitel nas Notícias: 5 Histórias que pode ter perdido em janeiro

Janeiro é sinónimo de ano novo, mas sabia que era também o Mês do Chá Quente? É claro que uma chávena de chá é, desde há muito, uma bebida reconfortante
Ler mais

Quatro Formas De Mostrar Amor Aos Seus Clientes (Com Software Para Centros De Atendimento Telefónico)

O marketing é tão importante para nós como para qualquer outra pessoa. Mas sejamos realistas: A seta está normalmente apontada para os potenciais clientes. Não há nada de errado em
Ler mais